segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

O Caminho do Sonho

Ontem tive uma noite diferente, assisti ao filme “EM BUSCA DA TERRA DO NUNCA” sobre a história de J.M. Barrie o criador do conto do Peter Pan, o filme revela um gênio incompreendido por crer que a beleza das histórias estava na imaginação, que a mesma pode torna-lo o que você quiser e criar o que você deseja, Barrie acreditava que crianças voavam e que a terra do nunca existia, acreditava tanto que fazia questão que todos a conhecesse, e mesmo tachado de louco, Barrie ousou a insistir no caminho dos sonhos, até fazê-lo tangível aos que não sonhavam, viveu como menino, andou com meninos e tornou-se grande, encantando o mundo com uma historia de menino, foi genial por ser menino e por ser menino foi genial.


Logo após o término do filme, creio que pela primeira vez na minha vida meu estado de espírito pairou no nada, foi estranho, não sentia coisa alguma, era como se estivesse no meio de um vazio onde não havia nada para se ver, sentir, ouvir, tocar, etc. Parecia que estava sem forma e vazio, parecia uma terra jamais pisada, um planeta desconhecido, algo a nascer, a ser inventado, não sabia o que queria nem o que fazer, pensei em ir dormir, mas não fui, pensei em ler um livro (na verdade era um gibi rsrsrs), mas não li, pensei em ouvir musica, mas não ouvi.

Parado, e aos poucos fui me descobrindo, me desvendando, comecei a ouvir o canto das vozes do meu espírito, enxerguei as cores do quadro do meu coração...tive medo.

Tive medo de passar em branco, de não escrever nada na linha dos corações alheios, de estar caminhando ao contrário, de estar fazendo pouco ou nada, de não ser uma expressão de sonho aos que não sonham, de não amar como deveria, tive medo de minha história se encerrar com a minha morte.

Num momento de extrema impotência meu desejo era alcançar o mundo com meus braços e mostrar amor aos que sofrem.

Por fim dei conta de minha limitação e fui dormir me sentindo uma formiga na cama de um elefante.

Hoje acordei melhor, ainda impotente e limitado, mas melhor, me motivei, pois enxerguei que estou em um bom caminho, pode até não ser o melhor, mas é bom, pode até ser distante, indesejável, solitário e nada atraente, mas ainda é um bom caminho, parafraseando a terra do nunca de Barrie, o nome do meu caminho é "Caminho do Sonho", do sonho de Deus.

Por mais impossível que pareça vou insistir neste caminho até que um dia eu consiga fazê-lo tangível aos que não sonham.

Me lasquei, acabo de dizer que nunca vou parar de caminhar...



A vida é bela e a idéia é nobre.
Silas Lima


quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

O Nada, BELO


Dizem que somos aquilo que desejamos, ou seja, somos o que queremos.

Não acho isso uma verdade absoluta, pois toda a generalização é injusta, contudo concordo na maioria dos casos que aquilo que você almeja, diz muito sobre você, por exemplo: os que desejam ser ricos e ter muitas propriedades geralmente são egoístas, os que querem poder geralmente são escrupulosos, os que desejam amigos geralmente são fáceis e leves, os que ligam para aparência geralmente são vazios e fúteis, os que desejam uma vida de paz geralmente são simples, os que desejam uma fazenda geralmente são pacatos, os que querem ser o melhor geralmente são orgulhosos, logo percebemos que somos movidos pelos nossos desejos, seja como pessoa, instituição, país, grupo de amigos etc..
De frente deste dilema, me parei a pensar no que eu quero, sempre falo, falo e falo de novo de uma idéia, de um novo jeito de ser, e ai penso: Aonde isso vai me levar? O que vou ganhar com isso? Qual é o meu desejo?

Custei a aceitar a minha constatação, mas sem medo hoje posso dizer que o meu desejo, que a minha motivação é o NADA. Como assim o nada?


É meu caro o NADA é a fonte motivadora de minha vida, não almejo grandes coisas, simplesmente vivo o que vivo (melhor tento viver) por ser bom, hoje soa estranho não almejar nada com nossas ações, mas te garanto, achei beleza no nada.


Vi que os que por nada ajudam são os mais misericordiosos, que os que por nada choram são os mais sensíveis, que os que por nada se vendem são os mais honestos, que os que do nada aparecem são os que verdadeiramente gostam, que os que por nada desistem são os mais perseverantes, que os que por nada desanimam são os mais esperançosos, que os que por nada se agraciam são os mais felizes e que quem por nada amamos são os que chamamos de amigos, logo a fonte do verdadeiro bem é o nada.


Luto por coisas que nada dão em troca, mas são coisas que nos tornam melhor, pois pequenos gestos podem nada parecer, mas aquele que por nada faz o bem, nada o pode tornar mal.


A vida é bela e a idéia é nobre.

Silas Lima