quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Quem vive mais?



O tempo é com certeza o maior bem da vida, o tempo nos define, o tempo molda o nosso corpo e nossa mente, o tempo cura, o tempo é saudoso, belo, mas escasso, por si só o tempo é precioso, e o fato de ser irrecuperável potencializa o seu valor.
À tempos que a filosofia, a física, a matemática e a poesia discorrem sobre o tempo, tentam definir o que ele é, como aproveita-lo, etc.
O tempo é tão preciso que se qualifica uma vida pelo anos que se vive, prova disso é o quanto nos doe quando um jovem morre, pois está implícito que morrer cedo é viver pouco, mas será?
Ai que entra o “tchan” (não aquele do Cumpadi Washigton, Carla Peres, etc...), será que quem vive mais, vive melhor? Qual é a variável que mede o tempo? Como viver mais? Quem vive mais?

É óbvio que quem morre com mais idade, tem chances maiores de viver mais, mas não apenas pelos anos, mas sim por ter mais oportunidade de viver, pode parecer confuso, mas o que quero dizer é que viver bastante não está atrelado ao tempo do relógio, pois viver não é um estado temporal, viver é um estado de espirito.
É penoso ver os que vivem muito, mas pouco vivem, gente que quer viver muitos anos, mas que ao mesmo "tempo" torce para a semana logo acabar, que quer viver muito, mas só vai mudar de vida "no ano que vem".

Viver está atrelado a fragilidade, a leveza, a intensidade, vivem os que choram, mas não se amarguram, os que se enraivam, mas não odeiam, os que brigam, mas depressa perdoam, os que erram, mas logo se arrependem, os que se decepcionam, mas não perdem a esperança, os que não conseguem, mas não tardam em tentar novamente.
Vivem os que não perdem tempo com o que rouba o tempo.

Viva intensamente o seu tempo, assim pouco vai importar o seu tempo de vida, o importante será o  tempo que você vive.



Feliz tempo novo, ou se preferir feliz ano novo!


A vida é bela e a ideia é nobre.
Silas Lima

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Todo Mundo e Sozinho

Todo Mundo vivia na aldeia de Todo Mundo, aldeia que era com certeza o lugar mais bonito da floresta, Todo Mundo vivia tranquilo em perfeita harmonia com Todo Mundo, afinal de contas, Todo Mundo havia nascido ali, e dali Todo Mundo nunca havia saído.

Não saiam por que não precisavam, pois no quintal de Todo Mundo corria em direção ao norte um rio da mais pura água de Todo Mundo, água que Todo Mundo utilizava para beber e regar a quantidade absurda de árvores da terra de Todo Mundo, árvores que por serem regadas com a água mais límpida de Todo Mundo, davam os frutos mais bonitos de Todo Mundo, era tanto que muito dos frutos de Todo Mundo apodreciam, a fartura era tamanha na aldeia de Todo Mundo que Todo Mundo não se preocupava com o desperdício.
Até que um dia Todo Mundo decidiu-se ir ao Mundo, era necessário conhecer Todo Mundo, quanto mais longe Todo Mundo ia, mais ele descobria um novo Mundo, Todo Mundo começou a perceber que as árvores com frutos em demasia e o rio da mais pura água de Todo Mundo, davam lugar agora a árvores secas e infrutíferas e um córrego de água turva, contaminado por frutos podres.
De repente Todo Mundo viu um menino caído à beira do rio, aparentemente estupefato, com vestes sujas e descalço.
Era Sozinho.

Sozinho vivia numa aldeia menor que a de Todo Mundo, mas igual a Todo Mundo, Sozinho vivia bem, mesmo sem a mesma beleza, a aldeia do Sozinho tinha o suficiente, por ela também corria o rio da mais pura água de Todo Mundo, dela bebia e com ela regava as suficientes árvores frutíferas que lhe davam o que comer, no entanto não fazia muito tempo que alguns frutos podres vindo do sul começaram a contaminar o rio do Sozinho, que Sozinho não tinha o que fazer, sua água ficou tão contaminada, que Sozinho não podia mais regar suas poucas árvores, logo Sozinho não tinha o que comer nem o que beber e Sozinho não conseguia mais viver. Então Sozinho decidiu ir ao encontro de Todo Mundo, pois Sozinho não podia mais ficar.

Sozinho começou sua jornada, contudo o caminho era longo e à medida que o tempo passava, mais cansado ficava, suas roupas se desgastavam e suas forças se esvaiam, até que não aguentou mais,  estupefato despencou as margens do rio, mas com um mínimo de forças ainda conseguiu ver alguém vindo, sorriu, pois sua ajuda tinha chegado, era Todo mundo, agora Sozinho seria acolhido por Todo Mundo e não ficaria mais Sozinho.
Contudo Todo Mundo ao ver aquela cena chocante, desviou o olhar de Sozinho, abandonou sua jornada e voltou correndo ao encontro de Todo Mundo.

Ao voltar para os braços de Todo Mundo, Todo Mundo esqueceu-se do Sozinho quase morto na beira do rio, e voltou a se esbanjar com Todo Mundo.
Hoje em dia Todo Mundo não se lembra mais do Sozinho, e o Sozinho quase morto ainda espera pela ajuda de Todo Mundo.

A vida é bela e a ideia é nobre.

Silas Lima

terça-feira, 17 de julho de 2012

N vidas


Além da obrigatoriedade de viver, também é certo que ninguém vive uma única só vez, digo isso não por um tipo de conceito espírita ou coisa parecida, pois não acredito em vida após a morte nos moldes espíritas, mas acredito que vivemos mais de uma vez, em vida.

Nossa vida se fragmenta a cada passo, a cada pessoa que encontramos, a cada ambiente que vivemos e cada fragmento gera uma vida, um homem casado, é um pai de família, assim como é um empregado de uma mega corporação, um aluno do curso de medicina de uma faculdade, um pastor é um guia de vidas, mas é um filho guiado por seu pai, um condômino desinteressado e um camisa 3 do time de futebol de domingo, onde o camisa 10 é membro de sua igreja.

Percebe? Na vida somos posicionados de várias maneiras, somos lideres, subordinados, parceiros, etc...

Contudo a fragmentação da vida não nos pode fragmentar, temos que lutar pela inteireza, um bom pai não é o que diz para o filho não fumar por que faz mal, mas fuma, um bom pastor não é o que diz “não roubem”, mas promete o céu à senhora que não tem o que comer em troca de uma oferta, a lógica do faça o que eu mando, mas não o que eu faço, é a lógica dos irresponsáveis, daqueles que não se fidelizaram com a vida, é a infâmia dos letrados, é o pretexto dos acomodados, que programaram a vida dentro da programação do canal que mais lhe entretém.

Sei que a inteireza é um horizonte distante, mas vive em mim a história dos que lutam e lutaram por ela, vive o pai que deixou um belo legado dentro de seus filhos, a esposa que leva a beleza do seu amado, os que a 20 anos saíram às ruas com suas caras pintadas preocupados com a política da nação, os que hoje se mobilizam por um mundo sustentável pensando na vida que a de se gerar, os que separam seu lixo, os que não pegam um real que não é seu, os que preferem perder para não se corromper.

Nosso rumo não pode ser medido pelos resultados que ele apresenta, mas sim pelo tipo vida que ele gera.

A vida é bela e a idéia é nobre

Silas Lima

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Fui! 2


Já morei em vários lugares, com várias pessoas e em vários ambientes diferentes, do COPAN ao Jd.Angela, em casa e em apartamento, com Pastor e com Tia de consideração, em casa própria e em casa alugada, até em casa que era de traficante (essa é uma boa história hehe), em condomínio fechado e em barraco na viela da favela, na Zona Norte a na Zona Sul, em São Paulo e em Poá.


Mesmo com todo este vai e vem fui me construindo, tenho inúmeras lembranças dos lugares em que vivi, no COPAN lembro-me do futebol na rua de trás do edifício Itália, no Jd.Angela jamais me esquecerei do Leandro, Wendell e Lenilson, no Condomínio Flórida vivi os melhores momentos da minha infância, na periferia da Zona Norte lembro-me de um rapaz estirado no chão com um tiro na cabeça em frente a minha casa, das casas alugadas sinto saudades da comida da minha avó e de Poá vou sentir saudades da Pizza do meu Pai.
  
É meus caros estou de partida e partir me remete as despedidas de todos os lugares que mencionei e quão difícil é se despedir, contudo até o dia de hoje nunca tinha partido de casa pensando que jamais voltaria.

A partir de agora vou trilhar meu caminho e por mais que ele seja promissor vou sentir saudades, saudades de poder voltar. 


Sei que boas coisas virão, mas as que ficaram para trás vão fazer um falta danada, não sei o que vai ser de mim sem os gritos da minha mãe, sem os conselhos do meus pai, sem meu irmão para torcer comigo nos jogos do São Paulo, sem minha irmã para me chamar de narigudinho, sem o filme em família de toda a segunda-feira mesmo que meu Pai nunca chegasse o fim dele acordado, sem a euforia do Willy ao me ver chegar, vai fazer falta a manha da minha irmã, a inteligência do meu irmão de 10 anos ("Parcerão"), as palhaçadas do meu pai e as trapalhadas da minha mãe.

  
De agora em diante vou levar todo os valores que aqui aprendi, propagar todo amor que aqui recebi, vou lutar para que a família que vou montar seja no minimo 10% do que a minha família é, e me lembrar antes de qualquer coisa, de tudo que aqui eu vi.

Estou partindo mas, dentro de mim está escrito: Rose, Val, Israel e Letícia. 

Se um dia eu conseguir ser escrito no coração de alguém um pouquinho de vocês também estará lá, nas letras do meu nome, pois eu sou um junção de vocês.

Obrigado família Duarte de Souza, acho que nunca mais vou voltar, mas garanto que pra sempre vou te amar. 

FUI...

A vida é bela e a idéia é nobre

Silas Lima