terça-feira, 13 de novembro de 2012

Todo Mundo e Sozinho

Todo Mundo vivia na aldeia de Todo Mundo, aldeia que era com certeza o lugar mais bonito da floresta, Todo Mundo vivia tranquilo em perfeita harmonia com Todo Mundo, afinal de contas, Todo Mundo havia nascido ali, e dali Todo Mundo nunca havia saído.

Não saiam por que não precisavam, pois no quintal de Todo Mundo corria em direção ao norte um rio da mais pura água de Todo Mundo, água que Todo Mundo utilizava para beber e regar a quantidade absurda de árvores da terra de Todo Mundo, árvores que por serem regadas com a água mais límpida de Todo Mundo, davam os frutos mais bonitos de Todo Mundo, era tanto que muito dos frutos de Todo Mundo apodreciam, a fartura era tamanha na aldeia de Todo Mundo que Todo Mundo não se preocupava com o desperdício.
Até que um dia Todo Mundo decidiu-se ir ao Mundo, era necessário conhecer Todo Mundo, quanto mais longe Todo Mundo ia, mais ele descobria um novo Mundo, Todo Mundo começou a perceber que as árvores com frutos em demasia e o rio da mais pura água de Todo Mundo, davam lugar agora a árvores secas e infrutíferas e um córrego de água turva, contaminado por frutos podres.
De repente Todo Mundo viu um menino caído à beira do rio, aparentemente estupefato, com vestes sujas e descalço.
Era Sozinho.

Sozinho vivia numa aldeia menor que a de Todo Mundo, mas igual a Todo Mundo, Sozinho vivia bem, mesmo sem a mesma beleza, a aldeia do Sozinho tinha o suficiente, por ela também corria o rio da mais pura água de Todo Mundo, dela bebia e com ela regava as suficientes árvores frutíferas que lhe davam o que comer, no entanto não fazia muito tempo que alguns frutos podres vindo do sul começaram a contaminar o rio do Sozinho, que Sozinho não tinha o que fazer, sua água ficou tão contaminada, que Sozinho não podia mais regar suas poucas árvores, logo Sozinho não tinha o que comer nem o que beber e Sozinho não conseguia mais viver. Então Sozinho decidiu ir ao encontro de Todo Mundo, pois Sozinho não podia mais ficar.

Sozinho começou sua jornada, contudo o caminho era longo e à medida que o tempo passava, mais cansado ficava, suas roupas se desgastavam e suas forças se esvaiam, até que não aguentou mais,  estupefato despencou as margens do rio, mas com um mínimo de forças ainda conseguiu ver alguém vindo, sorriu, pois sua ajuda tinha chegado, era Todo mundo, agora Sozinho seria acolhido por Todo Mundo e não ficaria mais Sozinho.
Contudo Todo Mundo ao ver aquela cena chocante, desviou o olhar de Sozinho, abandonou sua jornada e voltou correndo ao encontro de Todo Mundo.

Ao voltar para os braços de Todo Mundo, Todo Mundo esqueceu-se do Sozinho quase morto na beira do rio, e voltou a se esbanjar com Todo Mundo.
Hoje em dia Todo Mundo não se lembra mais do Sozinho, e o Sozinho quase morto ainda espera pela ajuda de Todo Mundo.

A vida é bela e a ideia é nobre.

Silas Lima