quarta-feira, 4 de março de 2015

Encontros e Desencontros


A vida é uma coisa muito complexa, uma teia de decisões que desencadeiam inúmeras consequências incontroláveis, consequências que transformam caminhos, direções e rumos da vida de inúmeras pessoas.

Como não temos controle do que decidimos, tendemos a evitar drásticas mudanças, nos mantemos o máximo que podemos na estrada conhecida, no mesmo passo, sem se posicionar diante do que está a nossa frente, muitas vezes nos silenciamos ante ao mal, receosos com o porvir nos mantemos sem lutar pelos nossos valores, temos total ciência de que o caminho que estamos não é o melhor, mas por medo do pior, fechamos os olhos para as saídas a beira da estrada, até porque vivemos a espreita de que o caminho melhore repentinamente, na esperança de que tudo vai mudar sem que nos seja necessária uma mudança.

Afinal de contas, andar onde nunca se andou é difícil, perigoso, desconhecido, nos enche de temores. Tememos o que vão pensar, tememos sair antes da hora, tememos machucar os outros, tememos estar enganados, tememos o que há vir, e por isso insistimos, e um monte de saídas vão ficando para trás, e a cada passo menos saídas aparecem pela frente.

Lá na frente corremos o risco de perceber que pra mudar é necessário recomeçar, voltar ao inicio da estrada, e voltar ao inicio da estrada depois de andar mais da metade dela é cruel, pois exige-se muita perícia para fazer a curva acentuada sem causar nenhum acidente, requer muita coragem.

Não se pode abandonar o presente na esperança de um futuro, pois só há esperança no futuro se cuidamos do presente, nem se pode extinguir o momento por saudosismo passado, coisas novas podem ser tão boas quantos as que já foram boas, cada passo deve ser encarado com intensidade e coragem, pois a vida que passa, nunca mais irá passar de novo e só nos restará lamentar pelo que passou, cuide do agora, para que o amanhã possa ser mais leve.

Por fim suplico, não se tarde em viver,  ainda há um tempo antes do entardecer.  

A vida é bela e a ideia é nobre

Silas Lima